Blog

Fios de PDO

Fios de PDO

Através dos fios  de sutura de polidioxanona (PDO), absorvíveis, o lifting de roscas novamente passou a despertar interesse e ganhar popularidade, e atualmente existe uma diversidade de empresas produzindo diferentes tipos de fios absorvíveis indicados para rejuvenescimento e/ou lifting da pele de diferentes regiões do corpo e da face.

 

 

A polidioxanona é um polímero na forma de poliéster, obtido a partir da união dos monômeros monodioxanona (C2H6O3)n, através da abertura do seu anel carboxílico aromático p-dioxanona. O processo requer calor e um catalisador organometálico como acetilacetona de zircônio ou L-lactato de zinco. É caracterizada por uma  temperatura de transição vítrea na faixa de -10 a 0°C e uma cristalinidade de cerca de 55%.

 

A polidioxanona (PDO, PDS) ou poli-p-dioxanona é um polímero sintético biodegradável violeta ou incolor e cristalino. Tem melhor resistência e elasticidade comparada aos outros fios sintéticos absorvíveis, e é esterilizada com óxido de etileno.

Os fios de sutura de polidioxanona mantêm 70% da sua força de tensão aos 28 dias, ao passo que outros fios absorvíveis similares multifilamentares mantêm apenas 5% de resistência neste período. A completa absorção do fio de PDO ocorre entre 4 a 8 meses, sendo este degradado por absorção biológica (enzimática) ou por hidrólise. OS produtos finais são excretados principalmente na urina, sendo o restante eliminado através do trabalho digestivo ou exalado como CO2. Embora exista uma previsibilidade em relação à absorção do fio de PDO, seu tempo de duração dependerá da resposta individual de cada paciente. Pessoas que realizam atividades físicas frequentemente, tendem a absorver o fio mais rapidamente por possuírem um metabolismo mais acelerado.

O uso, ao longo dos anos, do fio de sutura de PDO na contenção de feridas mostrou uma melhora da qualidade da pele onde o mesmo estava sendo utilizado para cooptação dos bordos de uma lesão. Esse achado despertou a possibilidade de utilização dos fios de sutura de PDO na área estética, como um bioestimulador. Depois de instalados, por volta do segundo e terceiro mês, os diferentes tipos de fios de PDO estimulam, consideravelmente, o aumento da produção de colágeno ao redor dos mesmos, dando origem a uma trama colágena reforçada.

 

 

É possível perceber, mesmo após o sexto mês do procedimento, uma pele com mais firmeza e tônus cutâneo aumentado, sugerindo que o estímulo perdure por mais tempo. É por essa razão que se deve segregar a duração do fio de PDO no organismo da duração do colágeno formado, este último é mais prolongado em relação ao primeiro, podendo esse novo colágeno permanecer por até dois anos ainda que o fio tenha sido absorvido até o oitavo mês da sua colocação.

Os fios de PDO podem ser categorizados em dois grandes grupos, de acordo com a finalidade do seu uso: lisos e espiculados. 

Os lisos, como o nome indica, são estruturas sem qualquer nó ou travas e, por esta razão, não promovem tração dos tecidos, ou seja, não fazem lifting. Estes têm como principal função estimular a produção de colágeno, e também estruturar sulcos. A associação com a injeção de mesclas, através da agulha ou cânula que carrega o fio, vai aumentar a resposta neocolagênica promovendo melhores resultados clínicos.

Os fios espiculados apresentam travas na forma de espículas que se assemelham a garras, com o objetivo de tracionar o tecido ptosado e reposicionar os volumes faciais. Ao contrário do fio liso, o espiculado não deve ser associado as mesclas ou a fibrina em fase líquida, pois atrapalhariam a sustentação do fio, fazendo-o escorregar. A apresentação destes é sempre em cânulas, que variam em comprimento e espessura a depender do tamanho e do tipo de fio espiculado que carrega.

Devido à diferença quanto ao objetivo do tratamento, a colocação dos fios deverá se dar em planos diferentes. Os fios lisos, por terem como finalidade única a neocolagênese, devem ser passados na derme, enquanto os espiculados, para promoverem o reposicionamento tecidual, devem ser ancorados no tecido subcutâneo.

 

Várias são as áreas na face que podem ser tratadas através da utilização dos fios de PDO, dentre elas: a região da fronte, o pescoço, ao redor dos olhos, mento, bochechas, sulcos nasolabiais, linhas glabelares e região perioral.

Os fios devem ser implantados na derme (superficial ou profunda) utilizando agulhas ou cânulas de diferentes comprimentos e espessuras, adaptadas a cada área de tratamento, criando um leve lifting imediato.

 

 

O número de fios utilizados é variável e está diretamente ligado às necessidades individuais de cada paciente. Para um tratamento facial completo pode-se requerer de 60 a 80 fios, aproximadamente. Para tratamentos parciais, como terço médio, estima-se 10 a 20 unidades por área, para região infrapalpebral, 3 a 6 unidades em cada dimidio e para região da glabela, entre 2 e 8 fios.

Diversas são as marcas comerciais encontradas no mercado nacional e internacional. Dentre elas: I Thread, Lift Pro, Magical Lift, Med Lift, Mini Lift, Mint Lift, Miracu, Thread Lift, Vida Bela.

Os fios espiculados de PDO fazem tração da pele e são próprios para o reposicionamento dos tecidos prosados da face, ou lifting facial.

 

Vantagens:

  • Procedimento não cirúrgico;
  • Realizado em ambiente ambulatorial, sem necessidade de internação e apenas com anestesia local;
  • Nenhuma rejeição ou efeitos colaterais significativos;
  • Nenhuma tração mecânica com os fios. Não há necessidade de amarrar ou fixar as suturas;
  • Altos níveis de satisfação do paciente;
  • Pode ser combinado e/ou suplementado com outras técnicas cosméticas (PRP, mesoterapia, entre outras);
  • Procedimento pouco agressivo;
  • Pode ser realizado em todos os fototipos;
  • Pode ser feito no verão;
  • Excelente alternativa para a estruturação de sulcos onde o preenchedor não é bem indicado, como região da glabela, além de promover melhora das cicatrizes de acne, e amenizar rugas infraorbitárias e periorais.

 

Compartilhe: